Tudo que você sempre quis saber sobre Terçol

Tempo de leitura: 3 minutos

O terçol é um problema que se desenvolve por conta de uma bactéria que se aloja em uma das nossas glândulas presentes na pálpebra. Pode ser causado também pelo entupimento dessas mesmas pálpebras por qualquer substância ou agente. O nome terçol é o mais conhecido e popular, porém, o nome mais correto é hordéolo e trata-se de uma inflamação específica já que as bactérias, nesse caso, ficam nas glândulas mais externas da pálpebra chamadas de Zeiss e Mol.

Há também outra glândula que pode causar o problema: a Meibomius. Essas 3 são as responsáveis por produzir gordura para a lágrima. Dessa forma, ela demora a evaporar do olho, mantendo-o sempre hidratado. Por isso que tratar esse problema é de extrema importância.

Vamos entender um pouco mais sobre o que é terçol, as principais causas e, é claro, qual é a melhor forma de tratamento. Confira!

Quais as principais causas do terçol?

O terçol acontece justamente quando as glândulas que citamos acima ficam obstruídas. Isso pode acontecer por conta de uma infecção bacteriana como citamos acima e também por outros motivos:

  • mau funcionamento de uma das glândulas;
  • excesso de oleosidade nos olhos;
  • blefarite, uma doença que causa inflamação na borda das pálpebras.

Existem também alguns fatores de risco associados, ou seja, situações nas quais as pessoas têm mais chances de desenvolver o terçol. São eles: estar na terceira idade, ter blefarite e quem tem a pele muito oleosa (neste caso, os adolescentes podem ser o principal alvo).

Quais os sinais e sintomas?

Como saber que tenho terçol? Há uma característica bastante marcantes que é o inchaço na pálpebra que, por sua vez, pode ocorrer tanto na pálpebra superior quanto na inferior. Pode ser até que haja a presença de pus caso seja identificada uma secreção amarelada na região. Há também outros sinais e sintomas que podem ser identificados:

  • lacrimejamento constante;
  • inchaço, dor e vermelhidão por conta do processo inflamatório;
  • fotofobia;
  • visão embaçada;
  • sensação de que tem cisco nos olhos.

Em alguns casos, é possível que o terçol consiga, até mesmo, alterar a curvatura da córnea e também causar um leve astigmatismo. Mas essa situação só costuma acontecer quando o terçol aparece em maior quantidade ou o paciente leva muito tempo para tratar o problema. 

Qual o tratamento para o terçol?

O primeiro passo é ir até um oftalmologista, pois ele será o responsável por identificar o problema. Lembre-se de que, ainda que você tenha todos os sinais e sintomas descritos aqui, pode se tratar de outra patologia ou mesmo a consequência de uma doença pré-existente. Portanto, nunca tome medicamentos por conta própria.

O diagnóstico é realizado com o exame clínico e com a utilização de uma lâmpada de fenda, bastante comum no consultório do oftalmologista. Assim, é possível fazer uma análise mais detalhada do olho do paciente.

Agora que o especialista já sabe do que se trata e da gravidade do problema, eis o momento de iniciar o tratamento. A boa notícia é que, provavelmente, você não precisará tomar nenhum remédio, pois a maioria dos casos se resolvem sozinhos em cerca de 7 a 15 dias. Apenas em casos mais graves é que o médico costuma indicar uma medicação.

Mas não é por isso que você vai deixar de ir ao especialista não é mesmo? O terçol, se não tiver acompanhamento clínico, pode se complicar, podendo gerar inflamações mais graves e abcessos.

Compartilhe este conteúdo nas suas redes sociais e alerte outras pessoas. Pode ser que alguém esteja com o problema e nem tenha se dado conta!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *