Conjuntivite Neonatal: o que é e como tratar?

Tempo de leitura: 3 minutos

Conjuntivite neonatal o que é e como tratar

Podendo ocorrer até o 1º mês de vida, a Conjuntivite Neonatal é uma inflamação que causa secreção ocular e edema das pálpebras, deixando os olhos do bebês irritados, inchados, avermelhados, obstruídos e/ou com líquido incômodo. É importantíssimo levar seu bebê ao oftalmologista pediatra para diagnosticar a causa da Conjuntivite, pois esse fator é a chave para o tratamento e os cuidados conseguintes da doença.

Os diagnósticos diferenciais podem acusar causas como: conjuntivite química, conjuntivite bacteriana aguda, conjuntivite adquirida no parto ou obstrução congênita de vias lacrimais. Conheça mais sobre cada tipo de Conjuntivite em bebês:

Conjuntivite química

Causada pela exposição a substâncias que irritem os olhos, como por exemplo o Nitrato de Prata utilizado como colírio após o nascimento do bebê. Pode ser causada também por sabões, cosméticos, sprays e perfumes utilizados no bebê ou até fumaça de cigarro. O tratamento é a lavagem dos olhos com água em abundância, a limpeza diária com paninhos umedecidos e apropriados e/ou a utilização de produtos específicos que o oftalmologista pediatra indicar. Caso a Conjuntivite tenha causa no Nitrato de Prata, ela se nota logo nos primeiros dias ao nascimento e apresenta secreção mucóide e lacrimejamento. Em geral, se resolve em 3 ou 4 dias.

Conjuntivite adquirida no canal de parto

Este tipo pode ser causada por clamídia, gonococo ou até herpes simples, por ocorrer apenas em bebês nascidos por parto vaginal. Podem se apresentar tanto como Conjuntivite leve até de grau elevado. A Conjuntivite Gonocócica é a mais grave, e se apresenta entre o terceiro e o quinto dia. Produz secreção com pus e tem potencial para perfurar a córnea e causar perda do olho. Deve ser diagnosticada o mais rápido possível e dispensada tratamento com antibióticos. Já a Conjuntivite por Clamídia se apresenta entre o quinto e o décimo quarto dia, produzindo muco e edema da pálpebra, também necessitando de tratamento com antibióticos. O terceiro tipo, a Conjuntivite Herpética, se inicia até a segunda semana de nascimento. Pode estar associada à encefalite e requer internação hospitalar.

Caso ocorra algum desses diagnósticos pelo oftalmologista, é altamente recomendado tratar a mãe e o parceiro dessas infecções, além de ser muito importante realizar exames genitais e sorológicos após aconselhamento médico.

Na maioria dos casos, as pomadas com corticoides devem ser evitadas, pois podem aumentar a infecção, o que ocorre porque seus seus componentes químicos entram em contato com as bactérias e agem como catalisadores da doença.

Como prevenir qualquer Conjuntivite?

Logo após o parto, é indispensável o uso de gotinhas de Nitrato de Prata em forma de colírio para prevenir de maneira eficaz a oftalmia gonorreica. Infelizmente os agentes não previnem a Conjuntivite por Clamídia. Porém, bebês de mães portadoras de gonorreia não tratada devem receber uma dose única de remédios específicos, indicados por um oftalmologista pediatra, e ambos (mamãe e bebê) devem ser triados para infecção por Clamídia, HIV e Sífilis.

 

Em todo e qualquer caso de percepção de muco, secreções, irritações, vermelhidão e inchaço na pálpebra de seu filho ou filha, é importantíssimo levá-lo ao oftalmologista pediatra o mais rápido possível. Na maioria dos casos os tratamentos são simples de serem realizados e salvam a saúde ocular do seu bebê.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *