Visão embaçada e dupla. Pode ser Retinopatia Diabética.

Tempo de leitura: 3 minutos

O diabetes é uma doença crônica, caracterizada pelos elevados índices de glicose na corrente sanguínea e que causa diversos problemas de saúde. Um deles pode ser na visão. Se você está apresentando visão embaçada ou visão dupla ou as duas coisas é preciso consultar um especialista. Você pode estar com retinopatia diabética.

A retinopatia é uma das complicações mais comuns do diabetes e, se não for tratada, pode levar à cegueira do indivíduo.

Quer saber mais sobre essa condição? Então continue com a leitura desse texto!

O que é retinopatia diabética?

A retinopatia diabética se desenvolver por causa de alterações nos vasos sanguíneos que ficam localizados na retina. Com o passar do tempo, a situação se agrava e esses vasos já não conseguem manter o sangue dentro deles. Esse sangue acaba indo para o espaço vítreo ou retiniano e assim consegue causar complicações na visão.

A complicação mais grave é a cegueira e ela pode acontecer de duas formas.

A primeira delas é por causa de vasos sanguíneos que são anormais e, portanto, são mais frágeis que a maioria. Dessa forma, o rompimento ocorre de forma mais fácil e o sangue vai parar na cavidade vítrea do globo ocular removendo a visão. Essa forma de cegueira acontece já nos casos mais avançados da doença.

A outra forma é quando o sangue vai parar na região macular — região da retina correspondente à visão central. Isso provoca edema e consequente inchaço da região, aumentando a pressão ocular. Isso acaba provocando a cegueira e pode acontecer em qualquer fase da retinopatia diabética.

Em que casos pode se desenvolver?

A retinopatia diabética pode surgir tanto em portadores do diabetes tipo 1 quanto do tipo 2. Porém, no primeiro caso, ela tende a se desenvolver mais cedo.

O desenvolvimento dessa complicação não depende apenas das taxas de glicose no sangue, mas também de outros fatores como tabagismo, colesterolemia, hipertensão arterial e outro de fundamental importância: o fator genético.

Por causa disso, todos os portadores de diabetes devem realizar, ao menos 1 vez por ano, o exame de fundo de olho. No caso de mulheres com diabetes gestacional, é necessário que esse exame seja realizado tanto no início da gestação quanto no pós-parto.

Quais as fases da doença?

Dependendo do resultado do exame feito pelo oftalmologista, a retinopatia diabética pode ser classificada em dois tipos principais: a retinopatia diabética proliferativa e a retinopatia diabética não proliferativa.

O tipo proliferativo é caracterizado pela formação de novos vasos sanguíneos extremamente frágeis na superfície da pupila e da retina. No momento em que esses vasos se rompem, uma perda severa da visão ou cegueira total pode acontecer.

A não proliferativa é justamente o estágio anterior à proliferativa. Assim, nessa fase, o especialista pode atuar na prevenção das complicações já citadas.

A retinopatia diabética tem cura?

Infelizmente, essa patologia não tem cura. Porém, com os cuidados adequados e seguindo as recomendações médicas, é possível controlar essa condição e ter qualidade de vida. Além de realizar exames periódicos, o diabético também deve cuidar da alimentação e fazer o controle constante das taxas de glicose no sangue.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *