Afinal, o que é o Glaucoma? Tem Cura?

Tempo de leitura: 3 minutos

De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), o glaucoma é a segunda maior causa de cegueira em todo o mundo, perdendo apenas para a catarata. A estimativa é que, só no Brasil, cerca de 900 pessoas possuem essa doença que, infelizmente, não tem cura.

Por conta disso, é mais do que necessário conhecê-la já que quanto mais informações sobre o assunto você tiver, mais poderá se prevenir ou evitar que ela se desenvolva e cause consequências irreversíveis.

Veja agora quais são as principais causas, os fatores de risco, os sinais e sintomas, o tratamento e outras informações importantes.

Quais as principais causas do glaucoma?

A principal característica do glaucoma é o aumento da pressão intraocular. Para que isso ocorra existe um mecanismo.

Em uma região anterior dos nossos olhos ocorre uma produção constante de um líquido chamado humor aquoso e que preenche a parte da frente do globo ocular. Esse líquido é continuamente renovado e, para isso, deixa o globo por meio de canais presentes na íris e na córnea para dar espaço a um novo líquido.

O problema do aumento da pressão é quando esses canais estão bloqueados e assim, o humor aquoso se acumula na região. O grande problema é que essa pressão pode destruir o nervo óptico e assim reduz o campo de visão, podendo causar danos progressivos que, se não tratados, tornam-se irreversíveis.

Alguns fatores podem influenciar aumentando a pressão intraocular (PIO) que são:

  • uso frequente de corticoides;
  • hipertensão arterial;
  • má circulação na região do nervo óptico;
  • uso de colírios dilatadores;
  • drenagem ocular bloqueada.

Além disso, existem alguns fatores de risco que podem aumentar as chances de um indivíduo ter glaucoma que são:

  • ter mais de 60 anos (mais de 40 anos para os casos de glaucoma agudo);
  • ser afrodescendente;
  • histórico familiar (esse fator aumenta em até 6 vezes as chances);
  • doenças crônicas como o diabetes, hipertensão, problemas cardíacos e circulatórios em geral ou hipertireoidismo.

Quais os tipos de glaucoma?

Existem quatro tipos de glaucoma. Veja quais são as principais características de cada um deles:

  1. Glaucoma crônico: tem como causa principal a obstrução da drenagem do humor aquoso e é o tipo mais comum;
  2. Glaucoma agudo: quando há um aumento súbito da PIO, causando dor, sendo um caso emergencial;
  3. Glaucoma congênito: crianças que nascem com globo ocular grande e córneas embaçadas;
  4. Glaucoma secundário: pode se desenvolver por causa de uma catarata, cirurgias, uveítes, entre outras causas como o uso de corticoides.

Qual a forma de tratamento?

Apesar de não ter cura, o glaucoma pode ser perfeitamente controlado, garantindo uma melhor qualidade de vida do paciente e retardando as consequências dessa doença. O tratamento é feito de forma individualizada, pois o oftalmologista considerará algumas particularidades como histórico familiar, idade, gravidade e espessura da córnea.

Os principais medicamentos indicados são colírios para reduzir a PIO e, nos casos em que eles não conseguem mais controlar a situação, podem ser necessários comprimidos por via oral. Há também outros tipos de medicamentos com funções diversas. Por exemplo, um tipo tem como objetivo a redução da produção do humor aquoso.

Para evitar a doença ou ser diagnosticado o quanto antes e começar o tratamento tendo assim um melhor prognóstico, vá ao oftalmologista com frequência. Não espere a situação se agravar para procurar um especialista.

Como o glaucoma é uma doença que pode afetar muitas pessoas, compartilhe este texto e ajude-as a se prevenir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *